Como Viver de Renda do Tesouro Direto – Guia Completo

Ai ai, viver apenas de rendimentos, sem precisar mexer uma palha. Já pensou nisso?

Tem MUITO mais gente vivendo assim do que eu e você imaginamos.

E outra, tem gente que já poderia viver de renda e nem se deu conta disso ainda, hahaha. Aproveite pra descobrir nesse artigo se você já é um desses felizardos.

MAS, vamos colocar os pés no chão aqui um pouco…

Esse artigo apresenta um método para quem já tá com uma bolada em mãos e gostaria de viver de renda sem esforço e sem risco. Ou seja, é para:
-> quem já acumulou muito capital;
-> quem recebeu uma grande herança;
-> quem se aposentou recebendo uma grana da empresa ou da previdência privada;
-> quem recebeu um dinheirão em alguma ação na justiça;
-> quem tem um imóvel caro (podendo vendê-lo);
-> quem ganhou na loteria (anota aí pra quando você levar a mega-sena).

OU, serve simplesmente de inspiração para quem não tem a bolada ainda. Pois apresentaremos benefícios reais do que uma grana bem aplicada pode trazer.

Primeiramente, eu costumo dizer que viver de renda é sinônimo de aposentadoria. Não necessariamente se aposentar significa parar de trabalhar.

Um aposentado simplesmente não precisa mais trabalhar para ganhar dinheiro de forma a sustentar seu padrão de vida.

Trabalhar passa a ser uma escolha e não uma obrigação.

Ou seja, você pode se aposentar se conseguir obter uma renda mensal passiva de seus investimentos que seja maior, ou igual, ao custo mensal do seu padrão de vida.

É importante salientar que, antes de viver de renda (se esse for um objetivo de vida seu, vai saber, né), todo mundo precisa passar pela fase de acumulação de capital (juntar e investir recursos). Enxergo dois caminhos (ou um mix de ambos):
-> se você nasceu em berço esplêndido, seus pais ou avós já percorreram essa fase por você, hehehe;
-> caso contrário (que é meu caso) essa fase de acumulação de capital passa a ser função sua durante seus anos produtivos de trabalho.

OU, você pode casar com alguém que já tenha percorrido um desses caminhos acima, hahaha.

César, se tu ainda tá nessa fase de acumulação, por que danado eu vou te escutar?” Pois é, um dos pilares do blog é compartilhar o que já foi testado e funcionou e funciona para o autor do blog e seus conhecidos (saiba mais aqui na página sobre).

MÁÁS, meus pais estão exatamente na outra fase. Eles estão aposentados ou se aposentando.

Então este artigo tem como função principal apresentar, para pessoas que eu amo, uma estratégia simples e extremamente útil de algo que eu aprendi, estudei, mas não vou praticar de imediato.

 

A estratégia


Estrategia tesouro direto

Bem, até aqui escrevi muito blablablá de introdução e nem citei o tal Tesouro Direto do título do artigo.

Se você nunca investiu em títulos públicos veja o artigo Tesouro Direto em 30 Segundos clicando aqui (pode ler antes ou depois desse post, tanto faz) e leia também as discussões nos comentários de lá.

Vamo que vamo, a lógica da estratégia é a seguinte…

Os títulos do Tesouro Direto que pagam juros semestrais seguem um cronograma de pagamento dos cupons de juros a cada seis meses. Óbvio, né. Semestrais é a cada seis meses.

Mas a manha do gato é a seguinte:

-> Título Tesouro IPCA+ com vencimento em ano par, paga os cupons de juros em 15/Fevereiro e em 15/Agosto

-> Título Tesouro IPCA+ com vencimento em ano ímpar, paga os cupons de juros em 15/Maio e em 15/Novembro

-> Título Tesouro Prefixado com vencimento em ano ímpar, paga cupons de juros em 01/Jan e em 01/Jul

(todos os títulos citados acima são com “Juros Semestrais”, também chamados de NTN-B e NTN-F)

(não há Título Tesouro Prefixado com vencimento em ano par)

Confira o cronograma oficial de pagamento de cupons de juros do Tesouro Direto clicando aqui.

Bem… com esse cronograma em mãos, você pode montar uma carteira dividindo sua bolada nos três títulos citados.

Isso geraria o seguinte fluxo de pagamento pra você…

Detalhe: você não estaria mexendo no bolo principal. Ou seja, você estaria apenas recebendo e gastando os rendimentos. Depois, na data de vencimento, você teria sua grana de volta e intacta (no caso da NTNB o principal ainda é corrigido pela inflação).

 

Transformando em Números


Então vamos lá…

Digamos que você já tenha acumulado R$ 1.500.000,00.

Impossível acumular esse dinheiro? Eu diria que não. Take it easy que isso é questão de tempo. Acompanhe meu raciocínio…

Há vários imóveis a esse preço nas principais cidades do país. Talvez você seja o dono (ou herdeiro) de um desses. Novamente, não é o meu caso, hahaha.

De qualquer forma, pra acumular R$1.500.000,00 “bastaria” você investir R$500,00 por mês durante 30 anos a uma taxa de juros de 0,94% ao mês.

Continha complicada essa acima? É não rapaz! Fiz essa conta utilizando essa Calculadora aqui do Banco Central. Confira! Preenchi o número de meses (360), o depósito por mês (500), e por último o total de R$1.500.000,00. A taxa mensal foi dada pela calculadora.

0,9388% ao mês é igual a 11,86% ao ano (a.a.).

Ora ora ora, a nossa taxa básica de juros (SELIC) ainda está em 12,9% a.a. (estou escrevendo em Fevereiro/2017). Isso significa que, sem muito esforço e ainda sem necessidade de correr qualquer risco na bolsa de valores (mercado de renda variável), você consegue facilmente esse rendimento em várias das aplicações mais simples da Renda Fixa brasileira (mas esqueça a poupança please).

Se você ainda não entendeu o fundamento por trás do que eu escrevi no parágrafo acima, leia clicando aqui o artigo “O que é SELIC” e/ou clicando aqui o artigo “O que é Renda Fixa”.

Continuando…

Você tem R$1.500.000,00 e vai dividir seu dindin da seguinte forma:

-> 500 mil no Título Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais (NTNB) 2035

-> 500 mil no Título Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais (NTNB) 2026

-> 500 mil no título Tesouro Prefixado com Juros Semestrais (NTNF) 2027

Simulei utilizando essa calculadora aqui do próprio Tesouro Direto. Considerei a compra em 20/02/2017. Utilizei as taxas do dia e a meta teto atual de 4,5% de inflação (IPCA).

Veja o fluxo de pagamento do ano de 2018…

Agora o fluxo de pagamento em 2020…

Ou seja, você teria uma renda média mensal de R$6.923,18 pra 2018 e R$7.588,25 pra 2020.

Nem precisa ficar operando day-trade, acompanhar mercado e o escambau. Mais tempo pra você, pro seus amigos, pra sua família e pro mundo.

Renda de mais de 7mil conto líquido, líquido, sem fazer absolutamente nada, sem mexer no montante principal (na NTNB o principal ainda é corrigido pela inflação), e com o menor risco de crédito do mercado brasileiro (saiba o porquê do risco baixo nesse artigo aqui).

E aí negão!?

Compartilhe essa estratégia! Para tal, basta clicar em um dos links abaixo.

– Facebook (mídia pop da geral)

– Twitter (dos rapidinhos)

– LinkedIn (da galera profissa)

– Google+ (alguém usa isso?)

 

Atenção! Se liga se você ainda está na fase de acumulação


Se liga! Se você ainda está nessa fase de acumulação (como eu) NUNCA, eu disse NUNCA, compre nenhum título com pagamento de juros semestrais. Seja título público ou privado.

Nessa fase você tem que fazer a bola de neve ir crescendo até virar uma avalanche. Ou seja, você tem que deixar a mágica dos juros compostos (a mágica do juros sobre juros) atuar livremente.

Sacou?

Essa lógica serve também pra quem tá investindo em ações. Ou seja, reinvista sempre os dividendos (a participação no lucro) que a empresa paga pra você. Ou simplifique o processo como eu: compro ETFs que já fazem isso por mim (tema pra um outro artigo).

Repare que eu falei aqui sobre “investir” em ações (comprar participações e se tornar sócio de empresas), não citei “especular” (ficar comprando e vendendo ações).

Pra falar a verdade, eu até tenho um pouco de grana em títulos (públicos e privados) que pagam juros semestrais, hahaha.

Mas isso é perto de 4% da minha grana em Renda Fixa, hehehe. Serve só pra ter um dinheirinho aparecendo lá eventualmente na conta da corretora. Apenas pra cobrir alguma tarifa (como a Taxa de Administração da BMF&BOVESPA por exemplo).

E fiz isso sem seguir nenhuma lógica, método, panejamento, raciocínio ou cálculo. Simplesmente tá feito.

 

Concluindo


Pois bem… você não precisa ter tanta grana como eu disse no exemplo. Faça o teste com o que você já tem acumulado e confira se o rendimento cobre suas despesas mensais.

Ou você pode utilizar essa estratégia simplesmente pra cobrir parte de suas despesas (custos com telefone, energia elétrica, condomínio, supermercado, etc.).

Já se você não começou AINDA sua fase de acumulação, não precisa ficar desesperado. Tudo tem seu tempo e espero que esse artigo sirva pra te dar aquele empurrãzinho final.

E antes que eu esqueça… essa estratégia não veio da minha cabeça não, eu peguei do Módulo 2 do Curso Tesouro Direto da ESAF (curso oficial do Tesouro Nacional). Clique aqui se quiser sacar o PDF. Mais detalhes…

Repare que a estratégia é bem semelhante ao que várias pessoas utilizam: comprar imóveis e ficar recebendo os aluguéis (vivendo da renda desses aluguéis).

A vantagem de utilizar essa estratégia via Tesouro Direto é a facilidade de operacionalização. Sem dor de cabeça de ficar lidando com imobiliárias, inquilinos, variação dos preços de mercado dos aluguéis, manutenção, IPTU, condomínio, etc.

É só você e você mesmo, no stress.

Outra, um imóvel tem baixíssima liquidez (o que pode ser uma bomba na tua mão). Ou seja, demora muito entre você querer vender e você de fato receber a grana da venda.

Nos títulos públicos a liquidez é diária. Isso! Você pode recuperar o montante investido incialmente, a preço de mercado (se liga aqui), a qualquer momento.

E mais: na compra de títulos públicos, você não corre o risco de não receber um aluguel ou não conseguir alugar o seu imóvel.

Detalhe extra: essa estratégia de investimento que transforma o fluxo de renda semestral de cupons em um fluxo quase bimestral será sempre possível, pois o Tesouro Nacional costuma substituir os títulos existentes por outros de mesmas características.

Éééé môvéi! Aqui no Poupe Me! não tem blablablá não. Aqui é só conteúdo de ordem prática e de simples aplicação.

Curtxíu?
 

FIQUE ATUALIZADO, ASSINE E POUPE TEMPO


 

 Imagens de stockvault.net

  • Ivo Noronha

    Boa Cesar! Parabéns pelo post!
    Estava conversando com um amigo sobre isso esses dias! Quando ele pediu minha opinião, a primeira coisa q veio na minha cabeça foi algum título atrelado a Selic! Existe algum risco de um título atrelado a selic diminuir o valor no momento q eu vender, antes do vencimento? Posso usar esse título como forma de ter uma renda mensal? Abraço

    • César Falcão

      -> Sobre perder dinheiro no Tesouro SELIC
      O título Tesouro SELIC lá no Tesouro Direto é o mais conservador de todos, pois realmente não há chance de perder dinheiro se você resgatar antes do vencimento. O preço desse título SEMPRE sobe. Funciona muito parecido com a nossa poupança, mas o rendimento dele é bem maior (SEMPRE é maior que a poupança) e é diário, ou seja, tem rendimento todo dia útil enquanto que a poupança só rende de 30 em 30 dias.
      Você só corre algum risco de perder no Tesouro SELIC se fizer o resgate logo na primeira ou na segunda semana depois da primeira aplicação (o que convenhamos não faz o menor sentido, né). Se você vai ou pode precisar de uma grana nas próximas duas semanas, então deixe ela na sua conta corrente mesmo.
      No mais, se você ainda não tem a menor ideia do que fazer com o seu dinheiro parado na poupança ou na conta-corrente, então pode colocar todo em Tesouro SELIC de olhos fechados e de preferência através de uma corretora independente pra não pagar taxas para os grandes bancos.

      -> Usar Tesouro SELIC pra renda mensal
      Quanto a usá-lo pra ter uma renda mensal, eu não vejo muito sentido.
      Primeiramente, você teria que ficar entrando todo mês pra operar a venda (meio chato, né). Sugiro simplificar e gastar o menor tempo possível: quem quer utilizar/gastar os rendimentos deve procurar investir em títulos que paguem cupons de juros periodicamente, pois essas taxas dos cupons estão, de certa forma, atreladas à SELIC (Fonte: http://poupeme.com/taxa-selic/). E não precisa , necessariamente, ser título público. Essa estratégia de viver de renda do artigo pode ser utilizada também com títulos privados que pagam cupons de juros (debêntures, por exemplo, pagam semestralmente ou anualmente) ou você pode setar vários CDBs com vencimentos diferentes (trabalhoso também).
      Essa estratégia de renda passiva também pode se dar com a compra de Ações que pagam dividendos e/ou com compra de Fundos Imobiliários que pagam uma espécie de aluguel mensal. Eu já fiz isso no passado (tive ações com foco em dividendos e também tive fundos imobiliários me pagando aluguel), mas percebi que durante a fase de acumulação de capital não tem sentido a gente utilizar nossos rendimentos, sob qualquer hipótese.

      Porém, pra comparar qualquer retorno sobre investimento, sempre utilize a Taxa SELIC como o parâmetro mínimo aceitável do rendimento. (Fonte: http://poupeme.com/taxa-selic/)

  • Felipe Lima

    Muito bom artigo! Valeu Cesar!

  • Pingback: Como Investir Para Aposentadoria - O Guia Absolutamente Completo()