Reserva de Emergência: A Arma Secreta das Finanças Pessoais

Essa arma secreta nomeada “reserva de emergência” é, na verdade, puro bom senso, pura razão. Mas o ser-humano é muito otimista pra perceber essa necessidade.

Somos seres emocionais e não racionais.

Me responde o seguinte…

Se daqui a 1 segundo você perder todas as suas fontes de renda (salário, emprego, negócio próprio), por quanto tempo você conseguiria sobreviver sem comprometer seu padrão de vida?

Tô falando em realmente manter seu padrão, sem cortar absolutamente qualquer despesa. Isso também sem ter que despedir ninguém, sem vender carro, moto, apartamento ou qualquer outro bem.

E, obviamente, sem ter que pegar emprestado com ninguém ou voltar a morar com papai e mamãe.

E aí? Tu se sustenta por quanto tempo apenas com suas “reservas financeiras”?

Repare que não tô falando aqui do quanto você ganha não, mas sim do quanto você gasta por mês e do quanto você tem guardado.

A sua reserva é calculada em meses ou anos.

Uma reserva financeira é o quanto você tem guardado e com boa acessibilidade (com muita liquidez), dividido por seu custo de vida mensal.

(Reserva) = (Grana Guardada) / (Custo de Vida Mensal)

Se for menos de 3 meses: se ligue!

Se for mais de 25 anos: parabéns, você não precisa trabalhar nunca mais! ÊÊêê!

gabsy-aposentado

Hehehe.

Eu misturei aqui dois conceitos: o de aposentadoria e o da reserva de emergência. Mas ambos têm os mesmos objetivos: liberdade e independência.

Além do objetivo de comprar tudo à vista e mais barato (o que aumenta tua riqueza financeira no longo prazo), há outros dois objetivos básicos que levam as pessoas a poupar e investir dinheiro:
(i) ter uma grana pra se aposentar;
(ii) e ter uma grana como reserva de emergência.

Juntar dinheiro apenas por juntar dinheiro não faz nenhum sentido.

Portanto, pense em juntar dinheiro para ser livre.

Pense em juntar dinheiro para ser independente. Pense em ser independente de patrão, independente de clientes, independente de governo, independente de pais, independente de filhos, independente de banco.

Uma reserva de emergência te ajuda nessa jornada. Em teoria, uma “reserva de emergência” serve para:
-> você nunca precisar de ajuda de ninguém e nunca pegar empréstimo pra nada, não importando o que venha a te acontecer.

Uma reserva de emergência é uma vacina anti-mimimi e anti-vitimismo.

E há outras situações não emergenciais que também indico para acessar a sua reserva. Mas vamos por partes…

 

Sua reserva é o seu seguro


seguro-reserva

É óbvio enxergar uma perda repentina e inesperada de salário como uma emergência financeira.

Mas se você, por exemplo, não tem um plano de saúde, então uma emergência médica pode virar uma emergência financeira.

Um desastre natural, um acidente de carro, um incêndio, e até um processo judicial de ex-empregados, também podem virar emergências financeiras.

Mas essas “emergências”  só vão afetar sua vida, afetar a sua independência/liberdade, se não houver uma reserva (ou então um seguro).

Eu particularmente tenho apenas 4 seguros próprios (sem contar os do governo):
-> Plano de Saúde (da empresa que trabalho);
-> Seguro de Vida (da empresa que trabalho);
-> Seguro do Apartamento;
-> Seguro do Carro.

Com esses seguros em mãos, posso me dar ao luxo de ter uma reserva de emergência um pouco menor. Caso contrário, minha reserva deveria ter dinheiro suficiente para comportar um incêndio no meu apartamento ou a perda total do meu veículo.

Esquisito? Mas é isso mesmo! Lembre-se: uma reserva de emergência é uma vacina anti-mimimi e anti-vitimismo.

Não dá pra ficar se lamentando sobre a perda total no carro, ou um incêndio, ou a falta de salário, ou a crise, ou sobre qualquer outra coisa pra colocar a culpa.

Se você já sabe o que é uma reserva de emergência (depois de ler aqui tu não tem mais desculpa), então faça uma, controle o que está ao seu alcance, e “xô mimimi forever”.

Um adendo aqui…

Sem fazer cálculos detalhados eu diria que, financeiramente falando, não vale a pena possuir nenhum seguro. Tô falando isso em termos estatísticos no longo prazo.

Na verdade, é meio lógico isso: se financeiramente a balança fosse favorável para as finanças pessoais, então não haveria seguradora disposta a oferecer esses serviços para nós. Afinal, o dinheiro tem que vir de algum lugar pra cobrir os seguros, e as seguradoras obviamente lucram muito com esse negócio dentro de um controle estatístico da probabilidade de ocorrer os sinistros. Enfim, um negócio sem lucro não existe.

Mas voltando ao assunto… o fato é que ter seguros para alguns desses eventos emergenciais nos permite a ser um pouco menos agressivo no tamanho da reserva de emergência.

De qualquer forma, como não dá pra sair prevendo e fazendo seguro de tudo por aí, é sempre bom ter uma reserva de emergência, até para usar em casos não emergenciais.

Agora tente imaginar uma população inteira montando reservas de emergência e poupança para aposentadoria…

É… numa visão utópica de educação financeira generalizada, viveríamos em uma sociedade sem seguro desemprego, sem FGTS e sem INSS. Mas meu objetivo não é entrar nessa discussão não. Trago isso apenas pra alertar os empresários e os autônomos: se você não possui um emprego que te garante esses “benefícios” legais, então é sua obrigação montar o próprio seguro desemprego, o próprio FGTS e até o próprio fundo para licenças maternidade e paternidade.

 

Dívidas pra quê?


divida

Parece fácil falar, né?

Bem, como dito no início do artigo, uma reserva é na verdade bom senso. Mas não fomos educados assim. De qualquer forma, o fato é que…

Com uma reserva financeira de emergência você praticamente nunca terá dívidas. Pois, ao precisar de dinheiro, basta ir até o seu próprio caixa pessoal e pegar emprestado de você mesmo.

Aí, ao invés de ficar devendo aos outros, você fica devendo a você mesmo. Legal, né? Você usa parte do dinheiro e depois recoloca ele lá em prestações pagas a você mesmo. =D

Se tu quiser ser o pica das finanças pessoais deveria até pagar de volta com juros para si, hehehe. (eu não faço isso não)

Parece maluquice? Hahahaha. Lembre-se: muita gente ganha dinheiro com base na nossa ignorância financeira.

MAS, “alto lá”!!!! Se você já tem dívidas, então você ainda NÃO PODE ter uma reserva de emergência. OK?

A não ser que seja uma dívida de imóvel próprio, numa taxa de juros baixinha que você vá abater utilizando o FGTS, por exemplo.

Em geral: pague sua dívida primeiro. Até dívida de veículo sugiro quitar logo. Apenas quando tiver zerado na praça tu começa a montar uma reserva.

Quem tem dívidas deve pagar as dívidas e pronto. Juntar dinheiro não faz muito sentido nesse caso.

Foda é que o “senso comum” aqui no Brasil é que assumir dívidas pessoais é um comportamento normal e esperado por geral.

Dívida é boa apenas quando é feita para um negócio ou para uma empresa. Já esclareci isso nesse artigo aqui. Dívida pessoal te deixa pobre. E é exatamente estimulando as dívidas pessoais, transformando isso em algo comum, que os bancos brasileiros estão entre os mais rentáveis do mundo.

O que deveríamos achar normal é que todos tivessem uma reserva de emergência. No entanto, é bem provável que você esteja achando esse papo de reserva financeira um blablablá e um exagero.

Saca na tabelinha que fica sempre no menu lateral desse blog aqui (se tu tiver num smartphone a tabela fica abaixo do post). Saca o nível das taxas de juros nas dívidas pessoais.

Indicadores - Jan/2018

 % mês% ano
* Taxa Básica de Juros
** Média das Instituições

Fonte: PortalBrasil, Cetip e Banco Central (bastar clicar nas taxas)
IPCA (inflação)0,23%2,80%
Poupança0,40%4,90%
CDI (Taxa DI)0,56%6,89%
SELIC* Real0,56%6,90%
SELIC* Meta0,57%7,00%
Juros Fin. Imóveis**0,99%12,63%
Juros Fin. Veículos**1,90%25,86%
Juros Emp. Consig.**3,01%44,16%
Cheque Especial**8,96%209,43%
Juros Cartão**12,85%370,32%

Vira e mexe eu apresento esses dados no PoupeMe.com. É pra ver se a tunma se acostuma a achar absurdo.

Pois bem… entrar no rotativo do cartão de crédito, no cheque especial, ou fazer empréstimos consignados, vai deixar você preso por muito tempo pagando juros muito altos.

Você quer ficar preso ou quer ser livre?

liberdade-freedom

Você quer ser credor ou quer ser devedor? Se meu texto não te convence vou tentar uma citação do velho testamento da bíblia…

O que toma emprestado é servo do que empresta.

Provérbios 22:7

Com a mentalidade certa, “ser servo” ou “ser senhor” é uma questão de escolha.

 

Juntar dinheiro sem uma reserva de emergência


Não vejo muito sentido em juntar dinheiro para qualquer objetivo financeiro se você ainda não tem uma reserva de emergência.

Sem uma reserva de fato, você vai terminar utilizando a grana que seria para se aposentar ou que iria para outro objetivo financeiro qualquer.

Portanto, se você ainda não tem o seu seguro “reserva de emergência”, não adianta muito juntar dinheiro para qualquer outra coisa.

Digo isso por experiência própria, pois demorei a entender a necessidade de possuir uma reserva com fácil acesso…

As melhores oportunidades de rentabilidade na Renda Fixa, por exemplo, deixam seu dinheiro travado, inacessível, da data de aplicação até a data do vencimento.

Da mesma forma, na Renda Variável, você corre o risco de precisar da grana num período de baixa do mercado. Renda Variável é investimento de longo prazo (mais de 6 anos).

É fato que já me dei mal algumas vezes por falta de liquidez nos meus investimentos. Resolvi meu problema montando uma reserva robusta nos últimos anos.

 

De quanto deve ser minha reserva?


colchao-financeiro

Lembrando o que foi dito na introdução: sua reserva é calculada em meses.

Muita gente tem na ponta da língua quanto ganha por mês, mas não tem a mínima ideia do quanto gasta por mês.

Saber o quanto gasta (e como gasta) é até mais importante do que saber o quanto ganha.

Porém, saber o quanto de fato você gasta ao longo de um ano (depois dividir por 12) é o passo anterior à elaboração da sua reserva de emergência.

Agora indo direto ao ponto, indico que sua reserva seja suficiente pra cobrir suas despesas por, no mínimo:
-> 3 ou 4 meses se você é concursado
-> 4 ou 5 meses se você é empregado
-> entre 6 e 12 meses se você é autônomo ou empresário

No final das contas cada um faz o que achar justo, né? Mas tá aí uma referência pra quem quer uma receita de bolo.

ATENÇÃO: como já dito antes, lembre-se de somar à sua reserva de emergência os valores referentes àqueles itens que você não possui seguro (Saúde, Apartamento, Carro, Moto, etc.).

 

Que tal utilizar sua reserva pros bons momentos?


Ao invés de pensar numa reserva para emergência. Pense numa reserva para aproveitar boas oportunidades.

Pense positivo.

Retire esse nome “emergência” e chame apenas de “reserva financeira”. Ou utilize outro termo comum: “colchão financeiro”.

Reserva de Emergência = Colchão Financeiro = Colchão de Segurança.

O apelido é o de menos. Entender o conceito é que é essencial.

Bem… uma reserva de emergência, ou colchão financeiro, é também uma espécie de refúgio para gastos extraordinários, que possibilitem bons momentos, bons negócios, ou que te façam pagar menos por algo (pagando à vista).

Exemplos:

-> Pagar o ano inteiro da escola dos filhos numa parcela única com um descontão de 15%;

-> Gastar mais que o planejado numa viagem e ficar tranquilo com isso;

-> Fazer uma comemoração cara para celebrar uma conquista pessoal ou profissional;

-> Vacilar na gastança mensal consumindo mais que o planejado em determinado mês;

-> Aproveitar uma promoção única daquele desejo/objetivo de consumo com 15% de desconto pagando à vista;

-> Comprar ações baratas de uma empresa cujo preço está momentaneamente subvalorizado devido aos estresses recentes do “Sr. Mercado”;

-> Aproveitar uma oportunidade única na Renda Fixa (uma boa instituição pagando alta rentabilidade);

-> Entrar como sócio numa empresa que está precisando de dinheiro pra ontem;

-> Fazer uma doação generosa para aquela família que está precisando de ajuda urgente ou para aquele pessoal que está sofrendo com um desastre natural;

-> Ganhar poder de barganha em qualquer negociação de preço pois você pode pagar à vista.

E aí? O que acha de ter poder de doação, poder de compra, e poder de negociação?

ATENÇÃO: apesar de excelentes motivos de utilização da sua reserva, os casos acima são não emergenciais. Portanto, NUNCA retire a grana não emergencial de forma que deixa sua reserva abaixo do nível mínimo estabelecido (se for seguir o que eu disse aqui é: 3 meses se concursado, 4 meses se empregado, 6 meses se autônomo/empresário).

E: lembre-se de pagar prestações a você mesmo pra repor a sua reserva.

 

IMPORTANTE! Onde investir e como montar a reserva


comprar acoes

Bem, feita a lavagem cerebral do que é e pra que serve essa reserva, vamos agora dizer onde essa grana deve estar investida.

O investimento precisa ter as seguintes características e na seguinte ordem:

1) LIQUIDEZ;

2) ESTABILIDADE;

3) RENTABILIDADE.

Liquidez pode ser traduzido em quão rápido você fica com a grana em mãos a partir do momento que você decide que quer ela.

Um imóvel, por exemplo, não tem liquidez. Passa-se muito tempo (em geral meses ou até anos) desde o momento em que você decide vender até o momento em que você pega no djin-djin.

Um carro possui liquidez maior que um imóvel, mesmo assim um carro não tem liquidez, pois passa-se dias ou semanas desde o momento da decisão de venda até o momento da grana no seu bolso.

Enfim, pra sua reserva, a liquidez tem que ser diária. Você tem que ter a opção de se desfazer desse investimento a qualquer momento, a qualquer dia, acessando a grana em no máximo 2 ou 3 dias.

Da mesma forma, o investimento não pode ter volatilidade no seu preço de mercado. Ou seja, tem que ter preço estável, não variável.

Por último, considerando liquidez diária e estabilidade, você deve procurar a maior rentabilidade possível.

Juntando isso tudo, indico o seguinte pra sua reserva:

-> No mínimo 1 mês e no máximo 2 meses na Poupança;

-> Todo os meses restantes em Tesouro SELIC lá no Tesouro Direto.

Gostaria de lembrar o seguinte:

-> Tesouro SELIC sempre rende mais que a Poupança;

-> Tesouro SELIC é equivalente a 100%CDI (99%CDI se descontarmos as taxas).

Por que indico poupança? Porque a liquidez é em segundos. Se eu tiver uma emergência (ou boa oportunidade) pra pagamento em poucos segundos, pego a grana da poupança.

Mas a poupança rende muito pouco. Por isso indico no máximo 2 meses de grana lá.

Se você tiver uma opção com tal nível de liquidez e que renda mais que a poupança, ótimo. Há vários bancos médios e pequenos que oferecem 100%CDI em CDBs com liquidez diária por exemplo.

Tesouro SELIC também tem liquidez diária. Mas a grana demora um pouco pra entrar na nossa conta depois de lançada a ordem de venda.

E, da mesma forma, se você conseguir algo que pague mais que 100% CDI com liquidez diária, então pode usar isso como sua reserva no local do Tesouro SELIC.

Voltando, pra simplificar e colocar em prática ainda hoje:

-> 1 mês ou 2 meses em Poupança;

-> Restante em Tesouro SELIC no Tesouro Direto.

Se você tem zero de dinheiro guardado, já leu esse artigo até aqui, então já percebeu que deve começar a montar sua reserva.

Pra fazer uma reserva do zero você terá que poupar:

-> O equivalente a 50% do seu custo de vida mensal nos próximos 6 meses

-> O equivalente a 40% do seu custo de vida mensal nos próximos 8 meses

-> O equivalente a 30% do seu custo de vida mensal nos próximos 10 meses

-> O equivalente a 20% do seu custo de vida mensal nos próximos 1 ano e 3 meses

-> O equivalente a 10% do seu custo de vida mensal nos próximos 2 anos e 6 meses

Isso fará você chegar na reserva mínima: 3 meses de custo de vida mensal.

Se ligue que eu não tô falando aqui de poupar XXX% do seu salário não. Estou falando de poupar o equivalente ao que você gasta e não ao que você ganha.

Lembrando: saber o quanto se gasta (e como se gasta) é até mais importante do que saber o quanto se ganha.

 

Conclusão


-> Zere suas dívidas primeiro

-> Entenda que uma reserva, além de um colchão financeiro, é uma espécie de seguro

-> Se é autônomo ou empresário monte o seu próprio seguro desemprego e licença maternidade

-> Escolha ser credor e não ser devedor

-> Junte e permaneça pra sempre com uma reserva de no mínimo 3 meses e no máximo 12 meses

-> Use sua reserva para aproveitar oportunidades de descontos à vista e em casos de deslizes de gastos

-> Use sua reserva para aproveitar oportunidades de negócios, investimentos e doações

-> Quando usar sua reserva, pague a si mesmo pelo “empréstimo” realizado

-> Deixe sua reserva no Tesouro SELIC lá no Tesouro Direto ou em qualquer aplicação que tenha liquidez diária e rentabilidade superior a 99%CDI

E aí? Faz algum sentido não ter uma reserva de emergência como colchão financeiro?

Compartilhe essa “Arma (ainda) Secreta” até que ela se torne algo normal e esperado por todos.
 

FIQUE ATUALIZADO, ASSINE E POUPE TEMPO


 

Imagens de freeimages.compixabay.com

  • Leonardo Rodrigues

    Excelente artigo! Você explicou de forma simples e direta o que muitos educadores financeiros não conseguem fazer e ainda completou com informações inéditas. Sou fã do seu site! Muito obrigado mesmo, César!

    • César Falcão

      Obrigado Leonardo, grande abraço!