8 Erros Que Você Comete ou Cometerá ao Investir em Fundos de Investimento – E Como Evitá-los

No último mês, em especial depois de ter mandado esse e-mail daqui, analisei 7 Fundos de Investimentos diferentes.

Todos eles oferecidos por bancos como Bradesco, Caixa e Banco do Brasil. E todos com péssima rentabilidade (vários perdendo até para a poupança).

Por isso, decidi apresentar os grandes erros em relação a Fundos de Investimentos e mostrar como evitá-los. Na verdade, resolvi mostrar como analisar um Fundo de Investimento, inclusive Fundos de Previdência Privada.

Primeiro, vamos à listagem dos grandes erros…

 

#1# Não entender como funciona um Fundo de Investimento


o-que-e-fundo-investimento

Um Fundo, por si só, não é um investimento, não é um ativo financeiro.

É bom entender que um fundo é uma conta-corrente gigante onde milhões de pessoas colocam o dinheiro lá.

Aí os administradores do fundo pegam a grana de todo mundo e saem aplicando em ativos financeiros. E é por isso que você paga uma taxa de administração. Ou seja, não existe fundo sem taxa de administração (podem até dar outro nome, mas não existe).

Talvez, devido a essa natureza de ter vários indivíduos aplicando e possuir administradores, todo fundo possui um CNPJ próprio e único (decora isso de ter um CNPJ que é importante).

Ao colocar o dinheiro no fundo, você passa a ter uma cota específica em relação a todo o montante da grana que existe lá.

E daí que funciona assim, né?…

É só pra alertar que você precisa saber quem está cuidando do seu dinheiro e pra onde, exatamente, sua grana está indo. Ou seja, que tipo de operações os administradores estão fazendo (será que são operações boas para você ou boas apenas para eles?).

 

#2# Investir em fundos com rentabilidade inferior a 100%CDI


Isso é o mais comum!

Há vários fundos de Renda Fixa por aí rendendo menos que 100%CDI.

A bronca disso é que, no Brasil, a aplicação mais segura e mais conservadora disponível (mais que a Poupança) é:
-> Tesouro SELIC no Tesouro Direto

Já expliquei sobre isso nesse artigo aqui. Mas é importante internalizar aí na tua mente e considerar outras duas coisas:

a) essa aplicação no Tesouro SELIC via Tesouro Direto rende 100% da Taxa SELIC;

b) dizer que rende 100% da SELIC é igual a dizer que rende 100%CDI.

Pronto! Isso significa que a aplicação mais segura e conservadora rende 100%CDI. É daqui, dessa premissa, que devem partir nossas análises.

Na prática, CDI = SELIC (cuja taxa é determinada pelo governo). Saiba mais aqui.

Então, pra analisar um fundo de Renda Fixa, não precisa a gente ficar olhando quanto rendeu nominalmente o miserávi.

Esquece aquele relatório chato e difícil de entender que o gerente do banco manda. Se foi 7% ou 14% ao ano não importa, pois o importante é entender qual percentual do CDI a aplicação está dando.

 

#3# Pagar taxa de carregamento


pagar-taxa-carregamento

Isso é muito comum nos fundos de previdência privada. Se tiver taxa de carregamento, fuja que é cilada.

Cobrar qualquer taxa de carregamento não faz qualquer sentido. E outra, a grande maioria dos fundos ou planos de previdência não cobra essa taxa.

MAS, pelo o que tenho visto, isso é aparentemente “normal” nos planos de previdência de grandes bancos.

No fundo de previdência do Bradesco de CNPJ 06.081.457/0001-54 (BRADESCO FIC DE FUNDOS DE INVESTIMENTO RENDA FIXA VGBL – F10), por exemplo, era abatido 1,2% de cada depósito que a pessoa fazia nele.

Essa grana já ia de cara para o bolso do Bradesco. Em suma, a pessoa já perde 1,2% do suado dinheirinho na hora que aplica lá. Isso, na prática, já diminui, e MUITO, a rentabilidade.

E, obviamente, nos cálculos de rentabilidade % que aparece nos relatórios do banco essa grana dos 1,2% perdidos não é contabilizada e descontada do que rendeu. Na prática, seu rendimento é bem menor do que o relatório mostra.

Pra entender como funciona a taxa de carregamento, é assim:

-> Pra aparecer 150mil reais na tua conta, tu tem que depositar R$ 151.821,87 pois eles pegam 1,2% (que dá R$1.821,87) e embolsam como taxa de carregamento.

-> Do que sobra após a taxa de carregamento, é que incide a rentabilidade.

E aí, melhor esses R$1.821,87 na tua mão ou na mão do banco? Então, não aceite taxa de carregamento sob nenhuma hipótese (mesmo que seja de 0,5%, que é o valor que o Bradesco passou a cobrar recentemente nesse fundo do nosso exemplo).

Afinal, a taxa de administração que citei já deveria cobrir os custos administrativos do banco, né? Então, vamos a esse ponto…

 

#4# Pagar altas taxas de administração


As taxas de administração servem pra pagar uma galera que separa você do seu investimento real, ou seja, da galera que separa você do ativo financeiro em que o fundo tá aplicando sua grana.

Essa galera é a equipe do gestor do fundo, do administrador do fundo, do custodiante, do distribuidor, do auditor independente e mais do carái de asa.

taxa-administracao-fundo-investimento

Mas você não precisa saber pra quem vai o dinheiro. Só precisa saber qual é essa taxa em termos percentuais. Então vamos lá…

Nos últimos 7 fundos que analisei, a taxa de administração cobrada variava de 0,3% a 2,6% ao ano.

Lembrando que as taxas de administração incidem sob o montante que você tem aplicado, ou seja, não é apenas sob o rendimento não.

E quanto deveria ser essa taxa? Vou dar um chute aqui com base na minha cabeça pra você utilizar como referência ou discutir comigo em alguma oportunidade:

-> 0,3% a 0,7% pra fundos de Renda Fixa;

-> 0,3% a 0,7% pra fundos passivos de ações;

-> 1,0% a 2,0% pra fundos ativos de ações;

-> 1,0% a 2,0% pra fundos multimercado.

Fiz aqui uma simplificação da simplificação em relação aos tipos de fundo, mas vamos lá…

Os dois primeiros tipos de fundos da lista acima praticamente não exigem gestão de seu ninguém. São fundos de gestão passiva, sem muita análise e com processo meio robótico. Por ser simples para os administradores, a taxa DEVERIA ser baratíssima (mas isso não é visto por aí).

Os últimos dois tipos da lista são fundos que realmente exigem gestão. Ou seja, em geral são fundos de gestão ativa, com análises e operações de escolha de ativos pensadas e estruturadas pelos administradores. Por isso, em teoria, poderiam cobrar taxa de administração maior.

Esse análise acima é meio simplória. Pois, na real, o que eu quero dizer é que, pra saber se a taxa é cara ou barata, é necessário saber o que exatamente os administradores tão fazendo com o dinheiro.

Ou seja, é necessário saber em que ativos financeiros os administradores do fundo estão investindo na prática.

Por exemplo: um fundo pega 100% da grana e investe em outro fundo. Dã! Hahahaha. Pois é! Não fazem praticamente nada e cobram taxa de administração por isso. Então, qualquer taxa cobrada nesse sentido parece ser cara.

Outro exemplo clássico e comum: um fundo pega 100% da grana e investe em títulos públicos. Mas, peraí, você consegue fazer isso sozinho…

 

#5# Investir em fundos que fazem algo que você poderia fazer sozinho


É MUITO comum o fundo pegar a grana de geral e simplesmente aplicar 100% em Tesouro SELIC.

Ou até fazer um mix de títulos públicos e CDBs de grandes bancos.

O fato: investir num fundo que só faz investir em aplicações de Renda Fixa que você consegue “imitar” em poucos minutos NÃO FAZ SENTIDO!

Se o fundo só faz investir em títulos públicos, faça isso sozinho em 30 segundos através do Tesouro Direto. Basta um celular com acesso a internet.

Pagar taxa de administração pra alguém fazer isso por você é desperdício de dinheiro. Vamos parar de rasgar essa grana, né?

Em suma, invista apenas em fundos que faz operações que você: (i) ou não consegue fazer; ou (ii) não tem tempo ou equipe de análise pra fazer.

Se for pra investir em fundos, faça valer a taxa de administração que você paga.

 

#6# Não conhecer o pagamento do Imposto de Renda dos fundos (apelidado de come-cotas)


Esse é interessante…

O fato é que o Imposto de Renda (IR), nos Fundos de Investimentos, se comporta da mesma forma que nos investimentos em Renda Fixa.

Ou seja, incidem apenas sob o que dinheiro que rendeu (não é sob o montante todo não), e funcionam assim:

– 22,5% de IR se deixar a grana por 6 meses
– 20,0% de IR se deixar a grana por 1 ano
– 17,5% de IR se deixar a grana por 2 anos
– 15,0% de IR se deixar a grana por mais de 2 anos

MAS em um Fundo de Investimento o pagamento de Imposto de Renda ocorre a cada 6 meses.

E O PAGAMENTO É DE FORMA INVISÍVEL!!!

Como assim de forma invisível?

O Imposto de Renda nos fundos de investimentos é recolhido no último dia útil dos meses de maio e novembro de cada ano. E é invisível por que é assim ó…

A cobrança do IR é efetuada em quantidade de cotas que você possui do fundo, ou seja, calcula-se o número de cotas proporcional ao valor financeiro referente ao imposto de renda devido e se diminui esse número do total de cotas que o você possui.

Resumindo: a sua quantidade de cotas do fundo cai a cada 6 meses (em maio e em novembro) pra “pagar” o Imposto de Renda.

come-cotas-fundos-investimentos

Dái vem o apelido de Sistema Come-Cotas.

Ou seja, no fim das contas ele te cobra o IR antes e seu dinheiro vai rendendo bem menos do que renderia se o imposto só fosse pago lá na frente.

E, obviamente, assim como acontece para a taxa de carregamento, isso também passa de forma invisível nos cálculos de rentabilidade % do fundo que aparece nos relatórios do banco.

Apenas os Fundos de Ações funcionam de forma diferente. É 15% de Imposto de Renda e príu!

Ah… e os fundos de previdência também seguem tributação diferente. Através das tabelas regressivas e progressivas que já ensinei nesse artigo aqui.

 

#7# Investir em fundos com rendimento inferior ao seu benchmarking


De certa forma, o erro número 2 (investir em fundos com rentabilidade inferior a 100% do CDI) está contido nesse daqui. Mas vale o destaque de ambos.

Primeiramente, pra quem não tá acostumado com termos do mundo da gestão e da administração, cabe esclarecer que “Benchmarking” é uma referência, um comparativo (quaaaaase uma meta).

Simploriamente…

Para fundos de Renda Fixa, o Benchmarking costuma ser o CDI. Ou seja, se a rentabilidade do fundo é 100%CDI ou acima, o fundo está bem.  Se a rentabilidade é menor que 100%CDI, o fundo não presta.

Para fundos de ações, o Benchmarking é o próprio índice Bovespa, o Ibovespa. Da mesma forma, se a rentabilidade do fundo é igual ou acima do Ibovespa, o fundo está bem. Se a rentabilidade é menor que o Ibovespa, o fundo não presta.

Eu, particularmente, não vejo sentido em colocar seu dinheiro num fundo que não supera o seu Benchmarking, ou seja, que não supera a sua referência comparativa.

Pra esclarecer um pouco mais…

Você pode seguir, sozinho, o Benchmarking do CDI. Basta aplicar sua grana do Tesouro SELIC lá no Tesouro Direto.

Da mesma forma, você pode seguir, sozinho, o Benchmarking do Ibovespa. Basta colocar sua grana na ETF BOVA11 (ou na ETF PIBB11), ambas negociadas na Bolsa de Valores que você acessa pelo Home Broker da sua corretora.

Com os dois exemplos acima, dá pra sacar como é simples e fácil seguir o Benchmarking.

Se, através das taxas de administração, você vai pagar alguém pra fazer isso por você, esse alguém deveria ser capaz de superar o Benchmarking, né não?

 

#8# Não conhecer as regras e os administradores do Fundo


gestor-fundo-investimento

Por último e não menos importante, nosso erro número 8:

-> Não conhecer os administradores do fundo.

Não estou falando das instituições e das organizações. Estou falando das pessoas.

Ou seja, não estou falando de conhecer o CNPJ, mas sim o CPF, a pessoa real por trás da gestão do fundo.

Esse é o ponto talvez mais negligenciado de quem investe em fundos (ou melhor, investe através de fundos).

Imagine que um estranho te para na rua e diz que administra o seu dinheiro por você. Você colocaria dinheiro na mão dele sem verificar nada? Que dados você gostaria de saber em relação a pessoa que vai administrar sua grana?

Se você não conhece a pessoa, como você sabe que ele não age em prol dele mesmo ou de determinadas instituições?

Você confia que aquele investimento em Debênture que ele está fazendo é realmente bom para o fundo, ou será que a empresa emissora da Debênture deu um jeitinho de convencer o gestor a alocar alguns bilhões lá?

A questão aqui é a seguinte: ao aplicar em fundos, você está optando por terceirizar a gestão do seu dinheiro. E está assumindo todo e qualquer risco dessa terceirização.

Portanto, é bom deixar claro que você está completamente exposto aos interesses pessoais de quem está com a sua grana. Afinal, é ela quem está escolhendo os ativos financeiros por você.

Aí você me diz: mas existem regras da CVM (Comissão de Valores Mobiliários) e regras do próprio fundo que limitam as ações dos gestores pra evitar fraudes, etc., e tal, e pá, e blábláblá. Ceeeeerto, então me responde:

-> Você acha que a CVM consegue olhar, analisar, processar e fiscalizar 100% de cada operação de 100% dos fundos? Isso é impossível.

-> Você leu todas as regras do seu fundo? Em especial onde se esclarece quais são os tipos de ativos e de operações que eles vão fazer por você?

 

AULA PRÁTICA – Como analisar Fundos de Investimentos


Agora vamos dar uma aulinha aqui…

Além de verificar as taxas cobradas, a rentabilidade, e a comparação com o Benchmarking, você pode e deve consultar a CVM (Comissão de Valores Imobiliários) pra saber onde cada fundo investe o dinheiro exatamente.

Então vamos lá, ao nosso passo-a-passo…

(1) Anote o CNPJ do fundo

(2) Acesse algum site na internet com lâminas de fundos (indico a do InfoFundos clicando aqui e essa outra daqui)

(3) Nesses sites do item 2, informe o CNPJ e confira a Taxa de Administração

(4) Nesses sites do item 2, informe o CNPJ e confira a rentabilidade relativa ao CDI

(5) Nesses sites do item 2, informe o CNPJ e confira a rentabilidade relativa ao Ibovespa

(6) Acesse agora o site da CVM clicando aqui e clique em “Consulta a Fundos”, depois informe o CNPJ e clique no link da composição da carteira do fundo

(7) Analise os ativos financeiros um a um, pois na composição da carteira do site da CVM estará listado onde exatamente o fundo está investindo, ou seja, quais são os ativos financeiros (foque sua atenção na coluna com os percentuais e se liga nos maiores percentuais)

Com esses 7 pontos acima você já tem informações suficientes pra evitar os erros que listei no artigo.

Apenas depois de seguir esse passo-a-passo acima e, se ainda restarem dúvidas, faça suas perguntas a quem está querendo te vender a cota do fundo de investimento.

Apôi, lembre-se: quem está tentando te vender cota de um fundo é um VENDEDOR e não um consultor financeiro. Gerentes de Bancos e Assessores de Corretoras possuem metas de venda igual a qualquer empregado.

Então, só entre em mais detalhes com eles depois de terem feito a tarefa de casa dos 7 pontos desse passo-a-passo.

 

Exemplos de análises que realizei


ex-analise-fundo-investimento

Vamos aos nossos exemplos de análises (coloquei apenas 4 pra não estender muito o artigo e também não coloquei os gráficos comparativos dos benckmarking)…

 


Fundo de Previdência do BRADESCO – CNPJ 06.081.457/0001-54 (BRADESCO FICFI RF VGBL – F10)


– TAXA DE CARREGAMENTO: de 1,2%

– TAXA DE ADMINISTRAÇÃO: de 1,0%

– RENTABILIDADE RELATIVA: 99%CDI e com gráfico espelhando completamente o CDI

– ONDE INVESTE EXATAMENTE:

Esse é o ponto chave da análise e é o que explica o rendimento de apenas 99%CDI.

Consultada a Comissão de Valores Mobiliários (CVM), verifiquei que esse fundo aplica 100% do dinheiro em um outro fundo. Por sinal, aquela sigla FICFI no nome do fundo já dá uma pista, pois FICFI = FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO. Outro detalhe: a sigla RF significa Renda Fixado.

Going back to the cold cow

Esse outro fundo, por sua vez, aplica quase a totalidade do dinheiro em um único local: 100% da grana dele está no título público chamado Tesouro SELIC. Por isso o gráfico dele espelha completamente o CDI.

– ERROS DO ARTIGO ENCONTRADOS: 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7 e 8 (TODOS).

 


Fundo de Investimentos da CAIXA – CNPJ 10.551.353/0001-33 (FI CAIXA QUALIFICADO RF CRÉDITO PRIVADO LP)


– TAXA DE CARREGAMENTO: Não aplicável

– TAXA DE ADMINISTRAÇÃO: de 0,5%

– RENTABILIDADE RELATIVA: 98,53%CDI e com gráfico espelhando completamente o CDI

– ONDE INVESTE EXATAMENTE:

Consultei a Comissão de Valores Mobiliários, e vi que esse fundo investe cerca de 50% da grana exatamente em Tesouro SELIC.

Os outros 50% estão pulverizados entre CDBs de grandes bancos (Itaú, Bradesco, PAN, Safra, etc.) e Debêntures de grandes empresas (Magazine Luiza, Drogasil, Lojas Americanas, etc.).

Lembrando que investir em CDBs e Debêntures também dá pra fazer sozinho sem intermediários, mas é preciso conta em corretora.

– CURIOSIDADE DAS SIGLAS:

FI = Fundo de investimento

RF = Renda Fixa

LP = Longo Prazo

CRÉDITO PRIVADO = é um nome pra identificar o fundo, puro migué ou marketing

– ERROS DO ARTIGO ENCONTRADOS: 1, 2, 5, 6, 7 e 8 (só não caiu no erros das taxas)

 


Fundo de Investimentos da CAIXA – CNPJ 17.502.869/0001-37  (FICFI CAIXA GIRO IMEDIATO RF REF DI LP)


– TAXA DE CARREGAMENTO: Não aplicável

– TAXA DE ADMINISTRAÇÃO: de 1,5%

– RENTABILIDADE RELATIVA: 83,62%CDI e com gráfico espelhando completamente o CDI

– ONDE INVESTE EXATAMENTE:

Consultei a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e 100% do dinheiro dele está investido em outro fundo. Lembra que a sigla FICFI já aponta +- isso, né?

Esse outro fundo, por sua vez, investe cerca de 90% do capital em TESOURO SELIC. Os outros 10% da grana estão +- divididos em CDBs de grandes bancos (própria Caixa, Bradesco, BB, Santander e Safra).

Infelizmente o fundo ainda cobra 1,5% de taxa de administração pra fazer algo que você consegue fazer sozinho com um celular e acesso a internet.

Ainda… vale lembrar que o Imposto de Renda varia entre 15% e 22,5% encima do Rendimento (do rendimento e não do montante).

O combo Taxa de Administração + Rentabilidade 83%CDI + IR faz a aplicação nesse fundo render menos que a poupança.

Ps.: a poupança rende 70%CDI, mas não tem imposto de renda e nem taxa de administração.

– CURIOSIDADE DAS SIGLAS:

FICFI = FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO

RF = Renda Fixa

REF DI = referenciado DI (ou seja, tem a Taxa DI do CDI como seu benchmarking)

LP = Longo Prazo

GIRO IMEDIATO = é um nome pra identificar o fundo, puro migué ou marketing

– ERROS DO ARTIGO ENCONTRADOS: 1, 2, 4, 5, 6, 7 e 8 (só não tem o erro da taxa de carregamento que é comum apenas em fundos de previdência)

 


Fundo de Investimentos da CAIXA – CNPJ 10.731.794/0001-17 (FICFI CAIXA SIGMA RF REF DI LP)


– TAXA DE CARREGAMENTO: Não aplicável

– TAXA DE ADMINISTRAÇÃO: de 0,35%

– RENTABILIDADE RELATIVA: 97,14%CDI e com gráfico espelhando completamente o CDI

– ONDE INVESTE EXATAMENTE:

Consultei a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e 100% do dinheiro dele está investido em outro fundo. “É lógico César, ele é FICFI!!!“. OK OK…

Esse outro fundo, por sua vez, investe 50% do capital em TESOURO SELIC. Os outros 50% da grana estão aplicadas no Título Público Tesouro Prefixado 2021 (que você também consegue comprar pelo Tesouro Direto sem atravessadores).

O fundo cobra 0,35% de taxa de administração pra fazer isso. É uma taxa boa. Mas acho desnecessário, já que é uma taxa paga pro cara fazer algo que você consegue fazer sozinho aplicando o dinheiro via TESOURO DIRETO.

– CURIOSIDADE DAS SIGLAS:

FICFI = FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO

RF = Renda Fixa

REF DI = referenciado DI (ou seja, tem a Taxa DI do CDI como seu benchmarking)

LP = Longo Prazo

SIGMA = é um nome pra identificar o fundo, MIGUÉ gigante (se liga que sempre rola uns nomes desses com premium gold motherfucker select superstyle whatever)

– ERROS DO ARTIGO ENCONTRADOS: 1, 2, 5, 6, 7 e 8 (só não caiu no erros das taxas)

 

Conclusão


Os maiores erros são:

#1# Não entender como funciona um Fundo de Investimento

#2# Investir em fundos com rentabilidade inferior a 100%CDI

#3# Pagar taxa de carregamento

#4# Pagar altas taxas de administração

#5# Investir em fundos que fazem algo que você poderia fazer sozinho

#6# Não conhecer o pagamento do Imposto de Renda dos fundos (apelidado de come-cotas)

#7# Investir em fundos com rendimento inferior à seu benchmarking

#8# Não conhecer as regras e os administradores do Fundo

Um nono erro não listado é achar bonitinho o nome miguezeiro do fundo, hehehe.

E um décimo erro seria tentar ler e entender o relatório indecifrável que o gerente do banco manda. =P

Pegue só o CNPJ e pra analisar a rentabilidade, o benchmarking e as taxas dos fundos, pois vários sites internet afora apresentam lâminas de análise. Minha sugestão de site é:

-> InfoFundos e/ou ComparadorDeFundos

Você também precisa ver onde exatamente o fundo está investindo. Pra isso, basta entrar na composição da carteira disponível no site da Comissão de Valores Mobiliários (CVM):

-> Sistemas CVM

Em geral, fundos de investimento oferecidos por grandes bancos são horríveis (e esse é o preço caro que se paga por nosso desconhecimento e inação). 

Por penúltimo:

Se você já possui dinheiro em algum fundo, pega o CNPJ do danado e analisa com essa ótica passada nesse artigo (dá pra fazer isso com seu fundo de previdência privada também).

E por último:

Compartilhe esse conteúdo, de graça e com um sorriso no rosto, e evite que seus amigos e familiares caiam em armadilhas com o dinheiro deles.

– Facebook

– LinkedIn

– Twitter

– Google+

 

FIQUE ATUALIZADO, ASSINE E POUPE TEMPO